CIRIO2 Cultura Destaques Economia e Negócios 

A mandioca é o cheiro de Belém no Círio de Nazaré (PA)

POR – EMBRAPA

EMBRAPA

Não há cultura mais tradicional no Brasil e mais ligada à vida do paraense que a mandioca. Principalmente neste momento que antecede o Círio de Nazaré, no segundo domingo de outubro. No município de Acará, maior produtor de mandioca do Brasil, distante 33 quilômetros da capital paraense, mais especificamente no ramal da Samaumeira, a movimentação de agricultores familiares da Vila do Açu é grande na colheita de raízes e folhas de mandioca, para venda nas feiras livres da região metropolitana de Belém (PA).

As raízes serão trituradas e espremidas para retirada do tucupi, um líquido amarelo usado na preparação do tradicional pato no molho do tucupi. As folhas, ricas em proteína, são moídas e cozidas para serem usadas na preparação da maniçoba. Ambos são pratos tradicionais da culinária paraense.

Esses agricultores da Vila do Açu se preparam com um ano de antecedência, plantando mandioca da variedade Ouro Preto, de polpa bem amarela, “cor de ouro”, rica em carotenóides, específica para a produção do tucupi. Neste período, que antecede o Círio de Nazaré, a demanda é elevada e a cotação da raiz de mandioca de polpa amarela é a mais alta, quando os agricultores conseguem preço acima de R$1 mil por tonelada de raiz.

Fora desta época, o preço médio varia de R$550 a R$650 a tonelada. Os agricultores também comercializam as folhas cruas da mandioca ao preço de R$1 por quilograma, no entanto, nas feiras livres de Belém as folhas são trituradas e comercializadas cruas ou pré-cozidas a preços que variam de R$ 3 a R$ 5 o pacote com um quilo para o consumidor final, respectivamente. O tucupi é vendido em média a R$ 5 por litro.

MANDIOCA

Na semana que antecede o Círio de Nazaré entram na cidade junto com os romeiros, milhares de caminhões e barcos carregados de sacos de farinha e folhas de mandioca, para o abastecimento de feiras livres e supermercados. É o produto de origem agrícola comercializado, em maior volume, na Ceasa de Belém.

O estado do Pará é o maior produtor de mandioca do Brasil, com 4,8 milhões de toneladas de raízes, em 2015, correspondendo a 21% da produção nacional. Neste ano, estimou-se que a cultura da mandioca gerou mais de 200 mil ocupações no meio rural e cerca de 95 mil pessoas trabalhando nas casas de farinha, que são agroindústrias que funcionam no estado, na informalidade com estruturas produtivas instaladas no meio rural, que processam, pelo método artesanal ou semi-mecanizado, as raízes de mandioca para produção de farinha de mesa.

Nas feiras livres de Belém, a farinha é vendida na forma de litro e, portanto, os feirantes convertem, na venda, um saco de 60 kg em 85 litros de farinha. Pagam ao intermediário R$ 200 pelo saco e vendem o litro, no varejo, ao preço médio de R$ 5 auferindo uma margem de lucro de R$ 225 por saco. Alguns feirantes vendem de cinco a sete sacos de farinha por semana, produtos originários dos municípios de Castanhal, Santa Maria do Pará e São Miguel do Guamá. Segundo depoimentos obtidos de pessoas que trabalham na feira da Travessa 25 de Setembro, uma das mais tradicionais da cidade, mais de 60 feirantes vivem da venda de farinha e outros produtos derivados da mandioca.

Estes indicadores revelam a importância econômica e social da cultura da mandioca, no contexto da geração de emprego, renda e segurança alimentar, considerando a existência de centenas de feiras livres na região metropolitana de Belém e municípios do interior do estado do Pará, em que são comercializadas farinha e demais derivados da mandioca.

MANDIOCA1

Outra feirante, natural do município de Cametá, vive da venda de tucupi, também na feira da Travessa 25 de Setembro. Durante a época do Círio de Nazaré, chega a vender até 1.500 litros de tucupi ao preço de R$ 5, enquanto fora deste período, vende em média 25 litros por dia. Ela paga R$50 a R$70 por saco de mandioca, que lhe rende em média 70 litros de tucupi.

Em 2017, no Círio de Nazaré, são esperados mais de 1,5 milhões de peregrinos e milhares de turistas visitarão a cidade de Belém. Além de acompanharem as procissões terrestres e fluviais, terão como atrações turísticas a Estação das Docas, Casa das 11 Janelas, Catedral da Sé e Igreja de Nossa Senhora de Nazaré, Mangal das Garças, Museu Goeldi, Bosque Rodrigues Alves e outros.

Tudo isso, degustando as delícias da culinária paraense como a maniçoba, o pato no tucupi, o tacacá, o caruru, a tapioquinha e diversos tipos de sorvetes com sabores de frutas regionais da Amazônia, tais como: bacuri, cupuaçu, açaí, muruci, taperebá, uxí e também o sorvete de farinha de tapioca.

Os agricultores familiares devem ser reconhecidos como verdadeiros protagonistas desta grandiosa festa popular e religiosa que é o Círio de Nazaré, por sua tradição milenar e pela influência de sua cultura na culinária paraense, culminando com estas delícias que são o cheiro de Belém na semana do Círio de Nazaré: a maniçoba, o tacacá e o pato no tucupi. Vale a pena conferir, com as bênçãos de Nossa Senhora de Nazaré.

TextoBraboMoieses

Posts Relacionados

Deixe um Comentário