febre-zika.jpg.640x340_q85_crop Saúde 

Além da dengue, mais duas doenças podem surgir.

Por: Nathália de Alcantara (A Tribuna)

O chamado Zika Vírus ou Febre Zika é transmitido pelo Aedes aegypti e outros tipos de mosquito.

As doenças que o Aedes aegypt transmite não se limitam à dengue e à febre amarela. Ele também passa a febre chikungunya e a zika. E, apesar de estas duas últimas ainda não terem aparecido na Baixada Santista, especialistas afirmam ser questão de tempo.

Amapá, Bahia, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul e Roraima já têm casos de chikungunya. Ainda há ocorrências sob investigação em Minas Gerais. São Paulo tem sete pessoas doentes, mas todas infectadas no Exterior.

No Brasil, já são 6.209 registros desde setembro do ano passado, quando a doença apareceu no País. Neste ano, são 2.552 doentes. O número real, porém, é bem maior, pois há demora na notificação, pelos Estados, para o Governo Federal.

A principal diferença da chikungunya para a dengue está nas dores nas articulações, que podem durar anos no caso da nova doença.

Na semana passada, na Bahia, também foi anunciada a zika, uma versão amena da dengue e transmitida pelo mesmo mosquito. Os principais sintomas são febre e lesões na pele, como se fossem alergia.

Para o infectologista Jacyr Pasternak, do Hospital Albert Einstein, isso tudo é motivo de preocupação pra região.

Ele explica que o mosquito Aedes aegypti assa a transmitir chikungunya e zika assim que entra em contato com a pessoa infectada. “Com a explosão de casos que temos, é bom nos prepararmos para lidar com esses novos tipos. Eles logo estarão perto de nós”.
Para evitar que isso aconteça, a diretora do Centro de Controle de Zoonoses de Mongaguá, Kelly Capatto, apela à consciência da população. “A prevenção para todas essas doenças é a mesma. Mas as pessoas precisam se conscientizar. Só assim dá para ir além da diminuição do número de casos e impedir que novas doenças apareçam”.

Posts Relacionados

Deixe um Comentário