MULHER8 Destaques Economia e Negócios Segurança Sustentabilidade 

Elas conquistaram independência financeira com maricultura no RN

POR – ONU / NEO MONDO

Na pequena cidade de Rio do Fogo, litoral do Rio Grande do Norte, um grupo de 16 mulheres está mudando a economia da cidade. Com o apoio do Projeto Rio Grande do Norte Sustentável, uma parceria entre o Banco Mundial e o governo do estado, elas formaram a Associação de Maricultoras do Rio do Fogo (AMAR) para organizar o cultivo de algas e a fabricação de produtos derivados. A iniciativa pretende ampliar sua participação no mercado e, consequentemente, sua independência financeira

MULHER5Com apoio do Banco Mundial e do governo do Rio Grande do Norte, grupo de mulheres organiza o cultivo de algas e a fabricação de produtos derivados. Foto: Banco Mundial/João Vidal

“Muitas pessoas nos criticam por trabalharmos”, conta Nízia Silva, de 50 anos, atual presidente da AMAR. “Mas tenho muito orgulho de já ter comprado, com meu próprio dinheiro, eletrodomésticos e utensílios para a minha casa e também roupas para os meus filhos”.

Ricas em colágeno e em minerais como cálcio, ferro e iodo, as algas são boas fontes de proteína, carboidrato e vitamina A. Quando desidratadas, podem ser consumidas em saladas de frutas e verduras. Hoje, as maricultoras produzem regularmente farinha de alga, a partir da qual é possível fabricar outros produtos, como sabonete líquido, sopa, mousse, iogurte, produtos de beleza e até cocadas, ou cocalgas, como apelidaram as maricultoras.

Prestes a concluírem a construção da sede da AMAR, dando fim a uma espera de 13 anos, elas só têm a comemorar. O investimento de 329 mil reais destinado à sede e ao centro de produção permitirá ainda a compra de equipamentos para ampliar e diversificar a produção, entre eles, o tão sonhado moinho.

RELOGIO

“Hoje, alugamos um moinho, o que diminui nossa margem de lucro”, conta Luzia do Nascimento, de 42 anos. “Com a sede pronta, vamos poder produzir em maior quantidade e de maneira mais competitiva para atender a demanda do mercado”.

Atualmente, o lucro obtido pelas maricultoras ainda é baixo e irregular. “Muitas vezes não chegam a ganhar o equivalente a um salário mínimo para dividir entre elas”, conta Nisia Maria de Souza, gestora social do Projeto Governo Cidadão, que abarca o RN Sustentável. “Em algumas ocasiões, elas conseguem atender a demandas pontuais de outros estados, como São Paulo e Minas Gerais, e ganham um pouco mais”.

A construção da sede representa um salto para a economia solidária. “Antes do projeto, trabalhávamos no cultivo de algas para outras pessoas. Sempre íamos para o mar de madrugada”, lembra Luzia. “Vendíamos o quilo da alga por 50 centavos. Hoje, já conseguimos vender por 4,20 reais o quilo”.

O aumento de 7,4% do lucro ainda é desproporcional para o esforço que o trabalho exige. Para cultivar as algas, as maricultoras levantam às 5 horas todos os dias, entram no mar para colher as mudas e arrumá-las em canos flutuantes que são ancorados em um pedaço de concreto dentro do mar.

Dois meses depois, elas voltam ao mar para realizar a coleta das algas. Em geral, 2 kg de mudas transformam-se em 20 kg de alga. Após colhê-las, as maricultoras põem as algas em sacos que pesam em tono de 60 kg. Muitas vezes, carregam dois deles, ou 120 kg, do local da coleta até o centro de produção.

algas

“Os homens desistiram do projeto por causa disso”, lembra rindo Nízia. “Diziam que era trabalho pesado e que não iríamos conseguir tirar as algas do mar. Estamos aqui até hoje, fazendo isso”.

A resistência masculina não ocorreu apenas por conta do trabalho pesado. Os maridos também foram contrários a vê-las fora de casa, trabalhando. “O meu marido é o mais resistente de todos, e meus filhos também eram contra”, conta Nízia. “Muitas vezes, quando tinha de viajar para algum curso, era uma batalha. Estou vencendo ele pelo cansaço, pois só vou parar de trabalhar no dia em que Jesus me levar”.

No entanto, a birra dos maridos não foi o único problema que as maricultoras tiveram de enfrentar. “Muitos pescadores derramavam o óleo dos barcos no mar, comprometendo toda a nossa produção”, lembra Luzia. “Aos poucos, fomos conversando e mostrando o mal que isso causa ao meio ambiente. Hoje, acidentes ainda acontecem, mas sempre nos pedem desculpas e não há mais derramamento proposital de óleo no mar”.

O apreço pelo meio ambiente contribuiu para mais uma conquista da AMAR. A associação é a primeira a ter licença ambiental para cultivo de dez hectares marítimos, concedido pela Marinha do Brasil.

Com a sede pronta e apta a receber o alvará sanitário, as maricultoras pretendem aderir a programas governamentais para fornecer seus produtos para a merenda escolar e conquistar mais mercados dentro e fora do Rio Grande do Norte.

comida

Posts Relacionados

Deixe um Comentário