onda-verde-matogrosso-capa.jpg.640x340_q85_crop Ciência e Tecnologia 

Ibama utiliza tecnologia em favor da Amazônia.

Por: Badaró Ferrari (Ibama). Foto: Govinda Terra

Satélite auxilia equipes por terra garantindo o flagrante de ações criminosas. 1.500 hectares foram apreendidos.

Sinop/MT (11/05/2015) – Dentro das ações da operação Onda Verde, que combate o desmatamento ilegal na Amazônia, o Ibama conseguiu evitar mais uma grande derrubada de árvores da floresta. Em Castelo dos Sonhos, município próximo à terra indígena Baú, no Sul do Pará, havia intenção de abrir área de 1.500 hectares. Foram apreendidos oito tanques que armazenavam 3200 litros de combustível e destruídos três acampamentos que davam suporte à ação criminosa.

Com as informações levantadas pelo serviço de geoprocessamento a partir de imagens de satélite, equipes por terra se deslocaram para o local acompanhados de duas equipes aéreas, o que garantiu o flagrante. Na tentativa de driblar o “olho eletrônico”, os infratores abrem pequenos polígonos florestais. Contudo a qualidade das imagens geradas e a velocidade com que chegam permitem ao órgão agilidade e precisão.

Pela quantidade de combustível e alimento encontrados nos acampamentos, os agentes do Ibama fizeram a estimativa de que o desmatamento se estenderia por aproximadamente 30 dias. Segundo apurado, a meta dos infratores era desmatar 1.500 hectares. Graças à tecnologia de ponta que utilizam, conseguiram interromper a atividade no início do desmatamento.

Hoje, o satélite é um grande instrumento de combate ao desmatamento ilegal. O conhecimento gerado pelas técnicas de geoprocessamento e sensoriamento remoto permite economia e grande efetividade ao planejamento e execução das ações fiscalizatórias. Atualmente, em função do conhecimento geoespacial alcançado, é possível detectar com antecedência alterações na cobertura vegetal da Amazônia Legal. Processo que tem sido conduzido pelo Centro de Sensoriamento Remoto (CSR) do Ibama, cujo produto corresponde a imagens de alta resolução, que se transformam nos alvos de ataque da fiscalização.

Conforme o tipo de desflorestamento aferido (corte raso, degradação ou fogo florestal), além da análise de variáveis locais, é possível traçar diferentes estratégias para prevenção e contenção dos processos degradatórios. A instituição conta ainda com 453 viaturas preparadas para enfrentar a Amazônia, equipadas com comunicação e rastreamento via satélite e uma força aérea de sete helicópteros.

Para Maria Luiza Gonçalves de Souza, titular da Coordenação de Operações de Fiscalização do Ibama (Cofis), a tecnologia tem sido grande parceira no combate ao desmatamento ilegal, permitindo à fiscalização se antecipar ao infrator. “Somada a outros elementos, a tecnologia nos garantirá números sustentáveis na degradação florestal.”

Posts Relacionados

Deixe um Comentário