poluição Aquecimento Global Destaques Mudanças Climáticas Turismo 

Macron faz sua própria cúpula do clima

POR – DEUTSCHE WELLE / NEO MONDO

França sedia conferência climática para debater financiamento do Acordo de Paris – assinado há exatos dois anos. Subsídios em investimentos tecnológicos e pesquisa despencam com retirada dos EUA do pacto

defaultApós ameaça de cortes nos EUA, Macron concedeu bolsas de pesquisa a 18 pesquisadores – 13 de universidades americanas

Mais de 50 chefes de Estado e de governo participam, nesta terça-feira (12/12), de uma cúpula sobre o clima na França. O encontro, promovido pelo presidente da França, Emmanuel Macron, reúne líderes mundiais para discutir o financiamento climático para impulsionar o Acordo de Paris – assinado por 195 países há exatos dois anos.

No encontro estão presentes mais de duas mil personalidades, do setor público e privado. Entre eles, os chefes de governo de Espanha, México e Reino Unido, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, o ator Leonardo DiCaprio e o bilionário Bill Gates.

“Esperamos que essa conferência seja uma ação inédita, particularmente no fornecimento de apoio financeiro aos países em desenvolvimento e aos pequenos países insulares e países vulneráveis”, disse o ex-secretário-geral das Nações Unidas Ban Ki-moon.

Observadores e participantes advertiram que sem trilhões de dólares em investimento em energia limpa, o objetivo do Acordo de Paris de manter o aquecimento global abaixo de dois graus Celsius em níveis pré-industriais continuará sendo apenas um sonho.

“[A ação política] não será suficiente se não atualizarmos e redefinirmos a arquitetura financeira global e tornar todo desenvolvimento resiliente, sustentável e de baixa emissão”, disse Patricia Espinosa, chefe da agência da ONU para proteção do clima.

A cúpula foi anunciada em julho pelo presidente francês como uma forma de retomar a questão da luta contra as alterações climáticas e a redução da emissão dos gases com efeito de estufa, após a decisão – em junho – dos Estados Unidos de saírem do Acordo de Paris.

união2

Os EUA estão representados pelo encarregado de negócios da embaixada em Paris, por decisão da Casa Branca. Depois que o Acordo de Paris foi adotado, em 2015, com fortes incentivos do então presidente americano, Barack Obama, seu sucessor Donald Trump retirou o apoio político e financeiro dos EUA. O Acordo de Paris levou mais de duas décadas de negociações entre quase 200 países para ser assinado.

O financiamento tem sido há muito tempo um ponto de discórdia no processo climático das Nações Unidas – países em desenvolvimento insistem na assistência financeira para executar as mudanças dispendiosas para fontes de energia menos poluidoras e para reforçar a defesa contra tempestades tropicais, aumento do nível do mar e secas resultantes das mudanças climáticas.

Trump, que tem dito que a mudança climática não passa de uma farsa, pediu ao Congresso americano que reduzisse os orçamentos de pesquisa climática das agências federais – o que ameaçaria a perda de bilhões de dólares em investimentos e milhares de empregos. O governo Trump também não cumpriu com compromissos de financiamento climático dos EUA, incluindo 2 dos 3 bilhões de dólares prometidos ao Green Climate Fund.

Na segunda-feira, Macron afirmou esperar que Trump “mude de ideia”. O presidente francês concedeu bolsas de pesquisa a 18 pesquisadores do clima – 13 de universidades americanas – para prosseguirem com seus estudos na França.

Concluído em 12 de dezembro de 2015 durante a conferência das Nações Unidas sobre o clima (COP21) em Paris, assinado por quase todos os países do mundo, o Acordo de Paris entrou em vigor em 4 de novembro de 2016. Ele visa limitar o aumento da temperatura mundial reduzindo as emissões de gases com efeito de estufa.

poluição

William and Flora Hewlett Foundation anuncia US$ 600 milhões de compromisso filantrópico
com as mudanças climáticas

A William and Flora Hewlett Foundation anunciou que vai doar US$ 600 milhões em um período de cinco anos, de 2018 a 2023, para organizações sem fins lucrativos que trabalham globalmente para resolver as mudanças climáticas.  A promessa vem na semana do encontro promovido pelo presidente francês Emmanuel Macron com líderes globais do governo, negócios e setor filantrópico, que tem como um de seus objetivos conseguir financiamento público e privado para o esforço mundial para a implementação do acordo de Paris. A Fundação Hewlett planeja participar desta Cúpula e em esforços para aumentar o financiamento beneficente para soluções climáticas globalmente.

A Fundação Hewlett, uma fundação filantrópica privada não partidária fundada por Bill Hewlett, o lendário engenheiro e empresário do Vale do Silício, também concentrou seus recursos na melhoria da educação, alivio da pobreza global, apoio às artes cênicas e preservação do meio ambiente no Oeste da América do Norte. Este compromisso com clima é o maior financiamento feito na história de 51 anos da fundação e representa um aumento de 20% em suas doações filantrópicas relacionadas ao clima.

“Um grande número de pessoas já sofrem com as mudanças climáticas em inundações sem precedentes, supertempestades, secas, fome, incêndios florestais e doenças transmitidas por pragas –  e isso é apenas uma fração do que nossos filhos e netos sofrerão se não conseguirmos controlar o clima”, disse o presidente da William and Flora Hewlett Foundation, Larry Kramer. “O mundo fez progressos incríveis nos últimos anos, de formas que tanto mitigam o aquecimento como geram novas oportunidades econômicas. Mas ainda temos um longo caminho a percorrer. A William and Flora Hewlett Foundation orgulha-se de aumentar seu compromisso com a criação de um sistema de energia limpa e exortamos todos os líderes – seja na filantropia, nas empresas ou no governo – a adotar esse desafio e aumentar seus próprios compromissos para resolver as mudanças climáticas. Todos devem encontrar seu papel na solução – nosso futuro depende disso “.

MEIO AMBIENTE1

Jonathan Pershing, Diretor do Programa de Meio Ambiente da Fundação Hewlett e ex-Enviado Especial dos EUA para Mudanças Climáticas, acrescentou: “Nossa capacidade de enfrentar o desafio climático com engenhosidade, inovação e empreendimento determinará a segurança, saúde e meios de subsistência de todo o mundo. Exortamos outros filantropos e líderes globais a participar do nosso compromisso de fazer mais sobre as mudanças climáticas. Também estamos desafiando todos os líderes a pensar a longo prazo e a tomar decisões voltadas para o futuro para apoiar transformações de energia duradouras e estamos ansiosos para usar nossos próprios fundos beneficentes para ajudar a catalisar as mudanças globais necessárias para resolver esse problema urgente. Não há dúvida de que o mundo tem a tecnologia e a capacidade de resolver esse problema; o que precisamos é maior compromisso e determinação “.

As doações filantrópicas da Fundação Hewlett apoiarão organizações não-partidárias e sem fins lucrativos que trabalham em sistemas de energia de transição dos combustíveis fósseis para energias renováveis, com o objetivo de limitar o aumento da temperatura global para bem abaixo de 2 graus Celsius até 2050 e evitar um sofrimento humano sem precedentes e generalizado. As doações da fundação serão focadas nos maiores países e regiões emissores do mundo: os Estados Unidos, a China, a Índia e a Europa, apoiando organizações que realizam pesquisa científica e análise de políticas, oferecendo aos formuladores de políticas os tão necessários conhecimentos técnicos em sistemas e transições de energia, advogando em nome de uma ampla gama de comunidades e eleitores, promovendo parcerias público-privadas para atingir os objetivos nacionais e estaduais de energia limpa e convocando líderes através de redes de melhores práticas e compartilhamento de habilidades nessas geografias. A fundação também procurará apoiar organizações que estão integrando soluções em todos os setores para superar nossos desafios energéticos de longo prazo, bem como organizações que promovam parcerias público-privadas para financiar sistemas de energia limpa e incentivando o investimento privado para a implantação comercial de novas tecnologias viáveis.

eolica1

Estudos ligam cada vez mais o clima extremo às mudanças climáticas

Um novo relatório mostra que os estudos publicados desde que o Acordo de Paris foi firmado há dois anos estão ligando cada vez mais as mudanças climáticas a eventos climáticos extremos em todo o mundo.

Desde a conclusão da cúpula do clima da ONU em Paris, em 12 de dezembro de 2015, cientistas publicaram pelo menos 59 artigos sobre a atribuição de eventos climáticos específicos às mudanças climáticas. Destes, 41 concluem que as mudanças climáticas aumentaram os riscos de um determinado tipo de evento extremo, revela a análise da Unidade de Inteligência Energética e Climática (ECIU).  Alguns detectam um aumento na frequência, outros aumentam a intensidade ou a duração, ou vinculam um impacto particular às mudanças climáticas, ou uma combinação desses efeitos.

Os eventos meteorológicos estudados abrangem episódios de calor extremo, seca, inundações e ondas de incêndios, e dizem respeito a todos os continentes, exceto a Antártida. Eles abrangem 32 eventos individuais recentes para os quais os riscos aumentaram devido a mudanças climáticas, com outros focando na tendência de longo prazo de riscos crescentes.

Uma pequena proporção dos eventos climáticos extremos individuais analisados nestes estudos têm um custo quantificado em termos de vidas perdidas ou danos econômicos. A partir destes, o relatório deduziu que, neste pequeno conjunto de eventos, as mudanças climáticas causaram cerca de 4.000 mortes e cerca de US$ 8 bilhões em danos econômicos. Mas o relatório adverte que esses números não podem ser tratados como o “custo das mudanças climáticas”.

CRUZ

Richard Black, diretor da ECIU e autor do relatório, disse que a compreensão das conexões entre mudanças climáticas e eventos climáticos extremos está evoluindo rapidamente.  “Apenas alguns anos atrás, era difícil dizer mais sobre qualquer tempestade, seca ou onda de calor além de que era ‘consistente com o que a ciência prevê’. Cada vez mais, os cientistas podem olhar muito especificamente para um sinal de mudança climática em eventos extremos, e fazê-lo muito rapidamente. Este relatório mostra que cada vez mais, estão descobrindo que os eventos específicos são mais prováveis ou mais prejudiciais pelas mudanças climáticas “.

Comentando, a Dra. Friederike Otto, Diretora Adjunta do Instituto de Mudanças Ambientais da Universidade de Oxford, disse que a rápida evolução da ciência na atribuição de eventos está gerando conhecimento cada vez mais útil para os formuladores de políticas. “Estamos agora descobrindo que, para muitos tipos de eventos climáticos extremos, especialmente ondas de calor e chuvas extremas, podemos estar bastante confiantes sobre o efeito da mudança climática”, disse ela. “Sejam formuladores de políticas analisando questões locais, como proteção contra inundações, sejam negociadores envolvidas em processos globais sobre alterações climáticas, quanto mais informações sobre como as mudanças climáticas impactam o agora e o futuro, melhores serão as decisões que podem ser tomadas. Este relatório da ECIU mostra o rápido crescimento do conhecimento, e acho que só vai acelerar”.

O relatório foi lançado na semana em que líderes mundiais se reúnem novamente em Paris para uma cúpula climática convocada pelo presidente francês Emmanuel Macron, focada na economia da mudança climática.

ECONOMIA

PATRIMÔNIOS MUNDIAIS AMEAÇADOS PELO AQUECIMENTO GLOBAL

Mata Atlântica no BrasilMata Atlântica, Brasil

Um dos paraísos protegidos pela Unesco, a Mata Atlântica já enfrenta ameaças como o desmatamento, a caça indiscriminada e a ocupação irregular. Localizada próximo ao litoral, a região também corre riscos com enchentes, secas, deslizamentos de terra e outros eventos climáticos potencializados pelo aquecimento global.

Gorilas em UgandaFloresta tropical de Bwindi, Uganda

Quase a metade dos gorilas que ainda vivem livres na natureza em todo o mundo estão em Uganda. São cerca de 880 animais. Mas o aumento da temperatura leva a população que vive em áreas vizinhas à floresta a ocuparem áreas mais frescas. Para os gorilas sobra menos espaço para viver. O contato também aumenta os riscos de disseminação de novas doenças.

Lago Niassa, com barcos de pescaLago Niassa, Malaui

Altas temperaturas fazem com que a água do gigantesco lago Niassa evapore. O período de chuvas tem se tornado mais curto e a seca se estende cada vez mais. Com isso, o lago tem cada vez menos água. Este é um problema tanto para o ecossistema quanto para os pescadores que vivem do que retiram do lago e as empresas que oferecem mergulhos para turistas.

Vale da Lua, na JordâniaVale da Lua, Jordânia

Gargantas estreitas, penhascos e uma vista espetacular são alguns dos pontos altos deste patrimônio mundial. Mais de 45 mil pinturas rupestres, algumas com até 12 mil anos, são uma atração turística. Mas a água na região está ficando ainda mais escassa devido às mudanças climáticas e ameaça animais e plantas que vivem nesta área.

Ilhas em PalauIlhas Chelbacheb, Palau

Não é surpresa que as 400 ilhas Chelbacheb recebam mais de 100 mil turistas por ano. Os vilarejos antigos, lindas lagunas e recifes de corais fazem de lá um paraíso no Oceano Pacífico. Ainda assim, com a temperatura do mar subindo e a água ficando mais ácida, os corais são danificados e ficam brancos, causando seu extermínio.

Estátuas da Ilha de PáscoaIlha de Páscoa, Chile

As estátuas Moai na ilha chilena atraem a cada ano 60 mil visitantes. A erosão da costa e a elevação do nível do mar ameaçam as estátuas.

Estátua da Liberdade, em Nova IorqueEstátua da Liberdade, Estados Unidos

A Estátua da Liberdade sofre com tempestades cada vez mais fortes e o aumento do nível do mar. Em 2012 , o furacão Sandy danificou a infraestrutura da ilha onde fica a estátua. Alguns acreditam que é apenas uma questão de tempo até que a estátua em si seja avariada.

Centro antigo de CartagenaCartagena, na Colômbia

A colombiana Cartagena de Índias fica a apenas 2 metros acima do nível do mar. Principalmente o belo centro histórico e portuário da cidade fundada em 1533 estão ameaçados.

Canal Grande, em VenezaVeneza, na Itália

Embora o fenômeno da “acqua alta” não seja novidade em Veneza, ele está ocorrendo com cada vez mais frequência. E como um dos pontos mais baixos da cidade é a Praça de São Marcos, esta área especialmente turística é uma das mais comprometidas. Em longo prazo, o aquecimento global tende a agravar o problema.

Polo Norte: um iceberg no marFiorde Ilulissat, Groenlândia

Os icebergs derretem e se partem. Quando o permafrost, o solo permanente gelado, descongela, desaparecem com ele também os sítios arqueológicos. Turistas visitam o fiorde para vivenciar o “Marco Zero” da mudança climática. Para o gelo, o efeito é devastador, mas isso não impede mais e mais pessoas de irem até lá para ver icebergs antes que desapareçam para sempre.

Autoria: Louise Osborne / rkr

Posts Relacionados

Deixe um Comentário