MUNDO Aquecimento Global Destaques Meio Ambiente Mudanças Climáticas Segurança 

Mundo entra em período crítico de riscos intensificados em 2018

POR – RITA SILVA (AVIV COMUN.) / NEO MONDO

MUNDO

  • A natureza estrutural e interconectada dos riscos em 2018 ameaça o próprio sistema em que se baseiam as sociedades, as economias e as relações internacionais, de acordo com o Relatório de Riscos Globais 2018
  • A perspectiva econômica positiva dá aos líderes a oportunidade de combater a fragilidade sistêmica que afeta sociedades, economias, relações internacionais e meio ambiente, de acordo com o relatório
  • Os riscos ambientais dominam a Pesquisa Global de Percepção do Risco pelo segundo ano consecutivo; quando perguntamos sobre as trajetórias de risco no próximo ano, 59% dos entrevistados apontaram para um aumento dos riscos

 

A perspectiva de um forte crescimento econômico em 2018 apresenta aos líderes uma oportunidade de ouro para abordar sinais de fraqueza severa em muitos dos sistemas complexos que sustentam nosso mundo, como sociedades, economias, relações internacionais e meio Ambiente. Essa é a mensagem do Relatório de Riscos Globais 2018, publicado hoje pelo Fórum Econômico Mundial.

O relatório – que todo janeiro compartilha a perspectiva de especialistas globais e decisores sobre os riscos mais significativos que o mundo enfrenta – adverte que estamos lutando para acompanhar o acelerado ritmo de mudança. Destaca inúmeras áreas em que estamos empurrando os sistemas até o limite, das taxas de perda de biodiversidade em níveis próximos da extinção às crescentes preocupações sobre a possibilidade de novas guerras.

O levantamento anual de percepção de riscos globais (GRPS, na sigla em inglês) sugere que os especialistas estão se preparando para outro ano de maior risco. Quando pedimos a cerca de 1.000 entrevistados por suas opiniões sobre a trajetória dos riscos em 2018, 59% de suas respostas apontaram para uma intensificação dos riscos, em comparação com 7% apontando para a queda dos riscos.

RISCO

A deterioração do cenário geopolítico é em parte responsável por essa perspectiva pessimista para 2018, com 93% dos entrevistados dizendo que esperam que as confrontações políticas ou econômicas entre grandes potências devem piorar e quase 80% esperando um aumento nos riscos associados à guerra envolvendo grandes potências.

No entanto, assim como em 2017, o meio ambiente é, de longe, a maior preocupação levantada pelos especialistas. Entre os 30 riscos globais que os especialistas foram solicitados a priorizar em termos de probabilidade e impacto, os cinco riscos ambientais – clima extremo; perda de biodiversidade e colapso do ecossistema; grandes desastres naturais; destruição ambiental causada pelo homem; e o fracasso da mitigação e adaptação à mudança climática – foram classificados no topo da lista nas duas dimensões. Os eventos climáticos extremos foram vistos como o risco mais proeminente.

“Uma expansão da recuperação econômica nos favorece com uma oportunidade que não podemos nos dar ao luxo de desperdiçar, para combater as fraturas que permitimos enfraquecer as instituições, as sociedades e o meio ambiente do mundo. Devemos levar a sério o risco de uma quebra de sistemas globais. Juntos, temos os recursos e os novos conhecimentos científicos e tecnológicos para evitar isso. Acima de tudo, o desafio é encontrar a vontade e impulso para trabalhar em conjunto para um futuro compartilhado “, disse o Professor Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial.

Ainda de acordo com o GRPS, as ameaças cibernéticas estão crescendo em proeminência, com os ciberataques em larga escala agora ficando em terceiro lugar em termos de probabilidade, enquanto o aumento da dependência cibernética é classificado como o segundo fator mais significativo a moldar a paisagem de riscos globais nos próximos 10 anos. John Drzik, presidente de Global Risk and Digital da corretora Marsh disse: “A fricção geopolítica está contribuindo para um aumento na escala e na sofisticação dos ataques cibernéticos. Ao mesmo tempo, a exposição cibernética está crescendo à medida que as empresas se tornam mais dependentes da tecnologia. Embora o gerenciamento de risco cibernético esteja melhorando, as empresas e governos precisam investir muito mais em esforços de resiliência se quisermos evitar o mesmo fosso “de proteção” entre as perdas econômicas e seguradas que vemos para as catástrofes naturais”.

Os riscos econômicos, por outro lado, apresentam menos destaque este ano, levando alguns especialistas a se preocuparem que a melhoria das taxas de crescimento do PIB mundial possa levar à complacência quanto aos riscos estruturais persistentes no sistema econômico e financeiro global. Mesmo assim, a desigualdade ocupa o terceiro lugar entre os fatores de risco subjacentes e a interconexão de riscos mais citada é a diferença entre as conseqüências adversas dos avanços tecnológicos e o alto desemprego estrutural ou o subemprego.

A crescente complexidade e interconexão de nossos sistemas globais pode levar a falhas de feedback, efeitos de limiar e interrupções em cascata. Rupturas repentinas e dramáticas – futuros choques – tornam-se mais prováveis. No Relatório de Riscos Globais deste ano são apresentados 10 cenários curtos de “e se”, não como previsões, mas como estímulo ao pensamento para encorajar os líderes mundiais a avaliar os potenciais choques futuros que podem perturbar rápida e radicalmente seus mundos:

PORTAS

  • Colheita sombria: falhas simultâneas na cesta básica ameaçam a suficiência do abastecimento global de alimentos;
  • Uma rede emaranhada: ‘ervas daninhas’ de Inteligência artificial proliferam e estrangulam a internet;
  • A morte do comércio: a cascata das guerras comerciais com instituições multilaterais  muito fracas para responder;
  • Deformações da democracia: novas ondas de populismo ameaçam a ordem social em uma ou mais democracias maduras;
  • Precisão extinção: navios-drones pilotados por inteligência artificial levam a pesca ilegal para novos – e ainda mais insustentáveis – níveis;
  • No abismo: outra crise financeira supera as respostas políticas e desencadeia o período do caos;
  • Inequidade ingerida: bioengenharia e cognição – drogas fortalecedoras abalam o fosso entre os ricos e destituídos;
  • Guerra sem regras: o conflito Estado-Estado aumenta de forma imprevisível na ausência de regras de guerra cibernéticas acordadas;
  • Identidade geopolítica: em meio ao fluxo geopolítico, a identidade nacional se torna uma fonte crescente de tensão em torno de fronteiras contestadas;

* Emparedamento: Ciberataques protecionismo e divergência regulatória levam à balcanização da internet

Alison Martin, Grupo Chief Risk Officer do Zurich Insurance Group comentou: “Os eventos climáticos extremos foram classificados novamente como o risco global número um por probabilidade e impacto. Os riscos ambientais, juntamente com a crescente vulnerabilidade a outros riscos, agora ameaçam seriamente a base da maioria dos nossos bens comuns. Infelizmente, atualmente observamos uma resposta “muito pequena – muito – tardia” por parte dos governos e organizações para as principais tendências, como a mudança climática. Ainda não é tarde demais para construir um amanhã mais resiliente, mas precisamos agir com um forte senso de urgência para evitar o potencial colapso do sistema.

O Global Risks Report 2018 foi desenvolvido com o inestimável apoio ao longo do último ano do Conselho de Assessoria de Riscos Globais do Fórum Econômico Mundial. Também se beneficia da colaboração contínua com seus parceiros estratégicos Marsh & McLennan Companies e Zurich Insurance Group e seus assessores acadêmicos na Oxford Martin School (Universidade de Oxford), na Universidade Nacional de Cingapura e no Wharton Risk Management and Decision Processes Center (Universidade da Pensilvânia).

 

O Fórum Econômico Mundial, empenhado em melhorar o estado do mundo, é a Organização Internacional para Cooperação Público-Privada. O Fórum envolve os principais líderes políticos, empresariais e outros da sociedade para moldar agendas globais, regionais e industriais.

www.weforum.org

astronomia1

Posts Relacionados

Deixe um Comentário