usp_1.jpg.640x340_q85_crop Educação 

USP aprova oferta de aulas da graduação só em língua estrangeira.

Por: G1. Foto: Ana Carolina Moreno (G1)

Resolução foi aprovada no fim de maio e vale para o segundo semestre. Segundo o pró-reitor de Graduação, nova regra é ‘mudança de paradigma’.

Uma resolução aprovada pelo Conselho de Graduação da Universidade de São Paulo (USP) abre caminho para o estímulo à internacionalização da universidade. A partir do segundo semestre, os cursos de graduação poderão oferecer disciplinas optativas livres somente em língua estrangeira, sem precisar oferecer as mesmas aulas em português.

A nova regra não vale para as disciplinas obrigatórias e, segundo a assessoria de imprensa da USP, foi aprovada no dia 27 de maio. Para o pró-reitor de Graduação, é uma “mudança de paradigma”.

Em nota divulgada pela assessoria de imprensa nesta sexta-feira (12), o pró-reitor, Antonio Carlos Hernandes, afirma que “até agora, só era permitida a oferta de uma disciplina em língua estrangeira se a mesma fosse também oferecida em língua portuguesa, o que praticamente inviabilizava a iniciativa”.

A mudança da norma, segundo ele, “dá um passo importante para a modernização do ensino de graduação, fortalecendo o seu processo de internacionalização”.

Novas disciplinas
Na USP, há três tipos de disciplinas: as obrigatórias, que todos os alunos de um curso precisam concluir com nota mínima de aprovação, as optativas eletivas, entre as quais os estudantes de um curso são obrigados a escolher um número mínimo para cursar, e as optativas livres, oferecidas a estudantes de qualquer unidade da instituição.

As faculdades, escolas e institutos têm autonomia para criar novas disciplinas, dentro de regras específicas. Mas, segundo a USP, a nova regra determina que a unidade precisa garantir um número suficiente de disciplinas em português para que o estudante possa concluir a graduação, caso não queira cursar disciplinas em língua estrangeira.

Segundo a USP, não há uma expectativa de quantas disciplinas serão ofertadas após a mudança da regra, mas “a expectativa é que a adesão seja significativa, pois as Unidades têm uma boa parte de docentes com fluência em língua estrangeira, além de professores de origem estrangeira que poderão ministrar disciplinas em tópicos especiais”.

Posts Relacionados

Deixe um Comentário